Lidando com Pessoas Difíceis

Lidando com Pessoas Difíceis

Lidando com Pessoas Difíceis

Você já passou um dia em sua vida sem encontrar pessoas difíceis? Pessoas irracionais, abusivas e difíceis de lidar podem aparecer no trânsito, xingando e querendo brigar, num restaurante destratando um atendente ou em seu ambiente de trabalho, dificultando o desenvolvimento da equipe em vários níveis – do relacionamento em grupo até finalização de projetos.

Lidar com pessoas difíceis é uma habilidade que raramente se ensina em casa. Aprendemos, às duras penas, na convivência diária, em todos os ambientes sociais que frequentamos – inclusive no familiar. Eu também já tive meu quinhão de pessoas difíceis e abusivas em minha vida ao longo dos anos, e, não só com a experiência, mas também com muito estudo sobre o assunto, desenvolvi algumas estratégias, que resumirei a seguir.

Considere estas estratégias como atalhos para começar já a lidar com estas situações, ao invés de levar 20 anos para chegar neste ponto!

 

Lidar com pessoas difíceis: questão de estratégia

Você já jogou xadrez, ou, ao menos, viu alguém jogando xadrez? Um bom enxadrista, sem dúvida alguma, é um bom estrategista. Ele precisa analisar as peças no tabuleiro, prever todas as jogadas possíveis do oponente, e ainda usar de empatia para “entrar na cabeça” da pessoa à sua frente, e bloquear a jogada mais provável do outro.

As nossas relações interpessoais são como xadrez. Quando lidamos com parentes, chefes, colegas ou amigos difíceis ou abusivos, usamos todas as estratégias acima. O problema é que as usamos inconscientemente, e isto demanda um desgaste mental, e nos deixa ansiosos – o que por si só, atrapalha qualquer julgamento. Por isto estratégias são importantes para lidar com pessoas difíceis. Vamos a elas!

 

O presente de Buda para controlar seu emocional

Quando não sabemos lidar com insultos e agressividade, passamos maus bocados digerindo comentários e atitudes de pessoas sem tato, autoritárias ou simplesmente imbecis. Perdemos nossa energia, ganhamos uma enxaqueca, uma bela dor de estômago, ou pior, se aguentamos calados, ansiedade, medo e depressão.

Mas esta não é a maneira correta de lidar com um problema. Há uma história sobre Buda, aonde ele é insultado por um homem que vem vê-lo, e não responde às ofensas. Este homem, irritado, pergunta a ele o motivo de ficar calado, e Buda fala: “Se alguém te oferece um presente e você declina do presente, a quem ele pertence então”?

Toda a carga que uma pessoa grosseira “arremessa” em você pode ser anulada se visualizar, no exato momento em que isto ocorre, que esta energia (vermelha ou uma nuvem escura, por exemplo) não te atinge. Imagine-a passando por cima de você, desviando pelo lado ou batendo num escudo e voltando ao emissor. Esta e outras técnicas de visualização criativa mandam para nosso subconsciente a mensagem que aquilo não atingirá nosso emocional.

Também envolvo mentalmente esta pessoa com pensamentos amorosos, pois, certamente, lhe faltam amor e contentamento em sua vida.

 

Estratégias para bloquear ações nocivas de pessoas difíceis

Quando falamos de ações que podem nos prejudicar, temos que agir: está na hora de “jogar xadrez”. Todo e qualquer comportamento humano obedece a um propósito. Não podemos entrar na cabeça de ninguém, mas com base no que conhecemos da pessoa, podemos prever qual será seu comportamento. Desta forma poderemos ter algumas atitudes possíveis:

  1. Tire a pessoa/situação de sua vida- esta pode ser a única solução, quando está lidando, pessoas com poder limitado sobre uma situação, com ambientes acostumados a posturas antiéticas ou com más práticas.
  2. Elimine os jogos psicológicos – fale diretamente com a pessoa sobre o comportamento abusivo que ela tem. Deixe claro o que não admitirá para sua vida, dê limites claros. Se ela persistir, você saberá que a atitude é consciente e proposital.
  3. Recompense as mudanças positivas – uma forma de condicionar mudanças de comportamentos em pessoas difíceis é verbalizar seu agradecimento cada vez que ela tiver uma ação positiva, e também pontuar – em particular, sempre – se ela voltar a ter comportamento abusivo.
  4. Se não há mudança, dê um basta – em equipes corporativas, isto é comum: lida-se com um membro da equipe que não rende, ou prejudica o grupo conscientemente (após conversar claramente com ele), mostrando-lhe que a opção é “mude ou será despedido”. Cumpra a promessa.
  5. Sua prioridade é a qualidade de vida – Lembre-se que tudo é uma “barganha”: se você aceitar ficar numa situação destas, o que está aceitando em troca? Isto vale sua saúde emocional, física e sua noção de ética e moral? Isto vale sua alegria de viver? Pense nisso.

Lembre-se: por toda sua vida você lidará com pessoas difíceis. Se subordinar a situações humilhantes ou estressantes não é uma opção, quando você tem ferramentas para lidar com a situação. E, em última instância, preserve-se, buscando novos caminhos mais saudáveis.

Deixe um comentário

Nome
E-mail
Website
Comentário